fbpx

Eu decido, quem entra e quem sai!

Nunca houve na história deste país, um presidente que trocasse tanto seus ministros durante um único mandato.

O presidente Jair Messias Bolsonaro, oficializou seis mudanças dentro de seus ministérios nesta última segunda-feira dia 29 de março, criando assim uma reforma ministerial jamais vista neste país.

E por que isso acontece?

Segundo alguns “especialistas” em política nacional, o nosso presidente se encontra perdido em suas decisões e com isso está atrasando a economia do país, segundo os mesmos “especialistas”, com isso, Bolsonaro está conseguindo o agravamento da pandemia no Brasil.

Observando o quadro geral.

Fazendo um comparativo Brasil/Empresa, em diversos casos ou na maioria dos casos, quando um funcionário é substituído, retirado ou realocado de seu cargo, podemos sempre perceber uma gota de ódio que às vezes escorre pelo canto de sua boca durante uma fala ríspida. Também é possível ver esta gota de ódio em alguma delação sobre o passado sombrio que este funcionário viveu dentro da mesma empresa da qual foi demitido.

Curiosamente, até o presente momento nenhum dos ministros ou funcionários demitidos se postou capaz de delatar, informar ou denunciar algo de errado que possa vir a acontecer ou ter acontecido dentro do governo de Jair Messias Bolsonaro.

 

Falando das trocas ministeriais.

Sabemos que o presidente Jair Messias Bolsonaro realizou nesta segunda-feira dia 29 de março de 2021 o total de 6 trocas no primeiro escalão do governo (Ministros).

 

Veja em detalhes:

1-  Casa civil da Presidência da República.

2-  Ministério da Justiça e da Segurança Pública.

3-  Ministério da Defesa.

4-  Ministério das Relações Exteriores.

5-  Secretaria de Governo da Presidência.

6-  Advocacia Geral da União.

 

1-  Casa civil da Presidência da República.

Saiu o general da reserva Braga Neto, que foi transferido para o Ministério da Defesa.

Em seu lugar, entrou Luís Ramos, que atualmente era o ministro da secretaria de governo.

 

2-  Ministério da Justiça e da Segurança Pública

Saiu André Mendonça, que foi transferido para a Advocacia Geral da União (AGU).

Em seu lugar, entrou Anderson Torres, que é delegado da polícia federal e ocupava o cargo de Secretário de Segurança Pública do Distrito Federal.

 

3-  Ministério da Defesa

Saiu o general da reserva Fernando Azevedo e Silva.

Em seu lugar, entrou o também General da reserva Walter Souza Braga Netto, que era Ministro da Casa Civil.

 

4-  Ministério das Relações Exteriores

Saiu o embaixador Ernesto Araújo.

Em seu lugar, entrou o embaixador Carlos Alberto Franco França, um diplomata de carreira que estava na Assessoria Especial da presidência da república.

 

5-  Secretaria de Governo da Presidência

Saiu o general da reserva Luiz Eduardo Ramos, transferido para a casa civil.

Em seu lugar, entrou a deputada Federal Flávia Arruda (PL -DF)

 

6-  Advocacia Geral da União

Saiu José Levi procurador da Fazenda Nacional.

Em seu lugar, entrou André Mendonça que já chefiou a AGU no início do governo, André Mendonça estava no Ministério da Justiça.

 

Fazendo uma breve observação:

Como podemos ver na grande maioria não foi uma demissão e se uma troca de cadeiras, como se o presidente estivesse fazendo um rodízio de pessoas dentro das pastas ministeriais, dando oportunidade para que cada Ministro sinta a responsabilidade do próximo Ministro ou do ministro anterior, criando com isso talvez uma maior harmonia entre as pessoas e seus ministérios.

Texto: Helton Jesus Balieiro 30 de Março de 2021

Compartilhe essa informação com seus amigos.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram
Patrocinador Premium

Clique na imagem para saber mais

Patrocinador Vip

Clique na imagem para saber mais.